NOTÍCIAS

04

Setembro

Crescem os lançamentos imobiliários no 2° trimestre de 2018

Postado em 04 de Setembro de 2018

*Marcos Kahtalian, sócio dirigente da empresa Brain, responsável pela elaboração dos indicadores.
 
A pesquisa de indicadores imobiliários da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), feita em correalização com o Senai Nacional, apresentou, para o 2° trimestre de 2018, destaques positivos em lançamentos e vendas, indicando crescimento importante nessas duas variáveis.
No caso de lançamentos, houve um expressivo aumento de 119,7% em relação ao trimestre anterior e um aumento de 19,9% em relação ao mesmo trimestre de 2017. Tais dados apontam que não apenas há uma recuperação no ano, mas também um incremento relativo ao mesmo período, o que significa, malgrado o humor do mercado, um primeiro semestre de 2018 com mais atividade no setor.
Respondendo também aos lançamentos, verificou-se melhor desempenho do trimestre em vendas. As vendas apresentaram um aumento de 17,3% em relação ao trimestre anterior e um aumento de 32,1% em relação ao mesmo trimestre de 2017, corroborando a percepção de que no agregado de 2018 há uma melhora do mercado.
Evidentemente, dado o grande acréscimo de unidades lançadas, em proporção maior do que as vendas no período, o 2° trimestre de 2018 trouxe uma redução mais tímida da oferta final de unidades à venda, isto é, do estoque em mãos das construtoras. A oferta final apresentou uma queda de -1,1% em relação ao trimestre anterior e uma queda de 14,4% em relação ao mesmo trimestre de 2017. Podemos observar esse desempenho pelos gráficos.

Com os resultados do primeiro semestre de 2018 agora consolidados, podemos possivelmente esperar um fechamento do ano com melhor performance como um todo para o mercado imobiliário, pois, normalmente, o segundo semestre apresenta maior atividade. Naturalmente o aspecto da variável eleitoral pode afetar esse desempenho esperado, no curto prazo, mas está bastante claro, pelo cenário até então avaliado, que os estoques em geral, isto é, a oferta final disponível para venda, encontra-se em níveis muito baixos, com considerável espaço para crescimento.

 

Fonte: CBIC/CII | Elaboração: Brain

Fonte: CBIC/CII | Elaboração: Brain